Postagens

Mostrando postagens de Maio 16, 2015

Pérgamo

Imagem
Portal dos Santos  -  Antipas de Pérgamo (m. 68) foi bispo de Pérgamo, discípulo do apóstolo São João Evangelista e hieromártir do cristianismo durante o reinado de Nero (r. 54-68). Neste tempo, devido a perseguição aos cristãos, todos aqueles que se opunham a oferecer sacrifícios aos deuses viviam sob ameaça de exílio ou execução por ordem do imperador. Foi preso e quando liberto, devido sua firmeza na fé cristão, começou a professar a palavra e a convencer as pessoas de Pérgamo a pararem de oferecerem sacrifícios, o que provocou a reprovação dos sacerdotes pagãos que exigiram que parasse de pregar sobre Cristo e oferecesse sacrifícios aos deuses ancestrais. Devido sua relutância em atender as exigências, ca. 68, Antipas foi capturado e levado para o templo de Ártemis onde foi lançado dentro de um ardente touro de bronze vermelho, onde usualmente ocorriam os sacrifícios. Segundo a tradição o mártir rezou a Deus implorando por sua alma e para que ele fortalecesse a alma dos cristãos. …

Carta à Igreja de Pérgamo

Apocalipse: 2. 12. Ao anjo da igreja em Pérgamo escreve: Isto diz aquele que tem a espada aguda de dois gumes: 13. Sei onde habitas, que é onde está o trono de Satanás; mas reténs o meu nome e não negaste a minha fé, mesmo nos dias de Antipas, minha fiel testemunha, o qual foi morto entre vós, onde Satanás habita. 14. entretanto, algumas coisas tenho contra ti; porque tens aí os que seguem a doutrina de Balaão, o qual ensinava Balaque a lançar tropeços diante dos filhos de Israel, introduzindo-os a comerem das coisas sacrificadas a ídolos e a se prostituírem. 15. Assim tens também alguns que de igual modo seguem a doutrina dos nicolaítas. 16. Arrepende-te, pois; ou se não, virei a ti em breve, e contra eles batalharei com a espada da minha boca. 17. Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas. Ao que vencer darei do maná escondido, e lhe darei uma pedra branca, e na pedra um novo nome escrito, o qual ninguém conhece senão aquele que o recebe. - Bíblia Sagrada

O anticristo e o retorno de Jesus

2 Tessalonicenses: 2. 1. Ora, quanto à vinda de nosso Senhor Jesus Cristo e à nossa reunião com ele, rogamos-vos, irmãos, 2. que não vos movais facilmente do vosso modo de pensar, nem vos perturbeis, quer por espírito, quer por palavra, quer por epístola como enviada de nós, como se o dia do Senhor estivesse já perto. 3. Ninguém de modo algum vos engane; porque isto não sucederá sem que venha primeiro a apostasia e seja revelado o homem do pecado, o filho da perdição, 4. aquele que se opõe e se levanta contra tudo o que se chama Deus ou é objeto de adoração, de sorte que se assenta no santuário de Deus, apresentando-se como Deus. 5. Não vos lembrais de que eu vos dizia estas coisas quando ainda estava convosco? 6. E agora vós sabeis o que o detém para que a seu próprio tempo seja revelado. 7. Pois o mistério da iniqüidade já opera; somente há um que agora o detém até que seja posto fora; 8. e então será revelado esse iníquo, a quem o Senhor Jesus matará com o sopro de sua boca e destr…

PÉRGAMO

PERÍODO PROFÉTICO (313-538 A.D.) Pérgamo representa a história da igreja cristã do ano 313 a.D. até 538 a.D., quando, após a queda de Roma Ocidental (476 a.D.), sai de cena o imperador e surge o papado. A transigência entre o paganismo e o cristianismo neste período resultou no desenvolvimento do "homem do pecado" (2 Tessalonicenses 2:3), opondo-se a Deus e exaltando-se sobre Ele. Em 533, Justiniano, imperador de Roma Oriental, já havia declarado ser o papa "cabeça de todas as igrejas". Em fevereiro de 538, após a expulsão de Roma da última tribo antagônica ao papado, os Ostrogodos, deu-se início ao período de supremacia papal que, segundo a profecia, deveria durar 1.260 anos (ver Daniel 7:25; Apocalipse 12:6;13:5).

Pérgamo

● PÉRGAMO - UMA IGREJA POPULAR Pérgamo significa "altura" ou "elevação", pois a cidade, construída pelos gregos, estava numa elevação de 300 metros acima do nível do mar. É dito que lá é "onde está o trono de Satanás" (Apocalipse 2:13). Após a derrota para os persas (539 a. C.), sacerdotes da Babilônia fugiram para a Ásia Menor e fixaram-se em Pérgamo. Ali, continuaram a promover os ritos de sua religião politeísta e os elementos deste culto místico, foram transferidos para Pérgamo e depois para Roma. Foi assim que, quase imperceptivelmente, os costumes pagãos ingressaram na igreja cristã. Enquanto a igreja foi perseguida (período de Esmirna), não houve conformidade com o paganismo. Todavia, quando cessaram as perseguições (Edito de tolerância - 313 a. D.), e o cristianismo entrou nas cortes e palácios reais, perdeu a humildade e simplicidade dos ensinos de Cristo e dos apóstolos em troca da pompa e orgulho dos sacerdotes e governadores pagãos. 

Carta à igreja de Esmirna

Apocalipse: 2. 8. Ao anjo da igreja em Esmirna escreve: Isto diz o primeiro e o último, que foi morto e reviveu: 9. Conheço a tua tribulação e a tua pobreza (mas tu és rico), e a blasfêmia dos que dizem ser judeus, e não o são, porém são sinagoga de Satanás. 10. Não temas o que hás de padecer. Eis que o Diabo está para lançar alguns de vós na prisão, para que sejais provados; e tereis uma tribulação de dez dias. Sê fiel até a morte, e dar-te-ei a coroa da vida. 11. Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas. O que vencer, de modo algum sofrerá o dano da segunda morte. - Bíblia JFA Offline

Esmirna

PERÍODO PROFÉTICO (100-313 A. D.) Esmirna representa o período que vai desde a morte de João, por volta do ano 100 a.D., até 313 a.D. Na carta está escrito: "... Eis que o diabo está para lançar em prisão alguns dentre vós, para serdes postos à prova, e tereis tribulação de dez dias..." (Apocalipse 2:10). Conforme o princípio dia/ano de interpretação profética, estes dez dias se aplicam ao período de 303 a.D., quando fortes perseguições foram movidas contra os cristãos pelo imperador romano Diocleciano, até 313 a.D., quando Constantino, agora imperador, assina o Edito de Tolerância de Milão, dando liberdade de culto aos cristãos e restituindo a posse de seus bens antes confiscados.

Apocalipse

A palavra "Esmirna" vem de mirra, um suave aroma adocicado. É possível que essa igreja tenha sido fundada pelo apóstolo Paulo. A igreja de Esmirna era pobre em riquezas deste mundo, mas ativa no trabalho. Sofreu muitas perseguições. Policarpo, que foi consagrado bispo nesta igreja pelo próprio João, sofreu martírio em 168 a. D. Milhares de cristãos foram aprisionados e mortos, mas outros surgiam para ocupar seus lugares. Os sofrimentos que suportavam, levavam os membros de Esmirna para mais perto uns dos outros e de seu Redentor. Seu exemplo dado em vida e diante da morte era um constante atestado à verdade. Onde menos se esperava, muitos perseguidores eram convertidos e alistavam-se no exército de Cristo.

Carta de Éfeso

Apocalipse: 2. 1. Ao anjo da igreja em Éfeso escreve: Isto diz aquele que tem na sua destra as sete estrelas, que anda no meio dos sete candeeiros de ouro: 2. Conheço as tuas obras, e o teu trabalho, e a tua perseverança; sei que não podes suportar os maus, e que puseste à prova os que se dizem apóstolos e não o são, e os achaste mentirosos; 3. e tens perseverança e por amor do meu nome sofreste, e não desfaleceste. 4. Tenho, porém, contra ti que deixaste o teu primeiro amor. 5. Lembra-te, pois, donde caíste, e arrepende-te, e pratica as primeiras obras; e se não, brevemente virei a ti, e removerei do seu lugar o teu candeeiro, se não te arrependeres. 6. Tens, porém, isto, que aborreces as obras dos nicolaítas, as quais eu também aborreço. 7. Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas. Ao que vencer, dar-lhe-ei a comer da árvore da vida, que está no paraíso de Deus. - Bíblia Sagrada

Povo de Éfeso

Então, os que lhe aceitaram a palavra foram batizados, havendo um acréscimo naquele dia de quase três mil pessoas. Muitos, porém, dos que ouviram a palavra a aceitaram, subindo o número de homens a quase cinco mil. Assim, as igrejas eram fortalecidas na fé e, dia a dia, aumentavam em número.

Apóstolo Paulo ensina e faz maravilhas

Atos dos Apóstolos: 19. 8. Paulo, entrando na sinagoga, falou ousadamente por espaço de três meses, discutindo e persuadindo acerca do reino de Deus. 9. Mas, como alguns deles se endurecessem e não obedecessem, falando mal do Caminho diante da multidão, apartou-se deles e separou os discípulos, discutindo diariamente na escola de Tirano. 10. Durou isto por dois anos; de maneira que todos os que habitavam na Ásia, tanto judeus como gregos, ouviram a palavra do Senhor. 11. E Deus pelas mãos de Paulo fazia milagres extraordinários, 12. de sorte que lenços e aventais eram levados do seu corpo aos enfermos, e as doenças os deixavam e saíam deles os espíritos malignos. 13. Ora, também alguns dos exorcistas judeus, ambulantes, tentavam invocar o nome de Jesus sobre os que tinham espíritos malignos, dizendo: Esconjuro-vos por Jesus a quem Paulo prega. 14. E os que faziam isto eram sete filhos de Ceva, judeu, um dos principais sacerdotes. 15. Respondendo, porém, o espírito maligno, disse: A Je…