Postagens

Mostrando postagens de Maio 21, 2015

Filadélfia

6) - Filadélfia A igreja de Filadélfia é a síntese do tempo dos grandes movimentos misionários e dos despertamentos (1648-1900). Encontramos o versículo-chave em Apocalipse 3.8: "Conheço as tuas obras - eis que tenho posto diante de ti uma porta aberta, a qual ninguém pode fechar - que tens pouca força , entretanto, guardaste a minha palavra e não negaste meu nome". Isso não aconteceu apenas na igreja de Filadélfia naquele tempo, mas também, mais tarde, aconteceu de fato na história da Igreja. Desde o século 17 até o século 19 d.C. acorreu, com poucos recursos, um grande despertamento missionário no mundo inteiro. Sem trens, automóveis e aviões, mas a caminho durante meses a pé, a cavalo ou de navio se fizeram grandes coisas: "Eis que tenho posto diante de ti uma porta aberta , a qual ninguém pode fechar - que tens pouca força, entretanto guardaste a minha palavra e não negaste o meu nome". Nessa época surgiu a abençoada Missão no interior da China por meio de Huds…

carta à igreja em Filadélfia

Apocalipse: 3. 7. Ao anjo da igreja em Filadélfia escreve: Isto diz o que é santo, o que é verdadeiro, o que tem a chave de Davi; o que abre, e ninguém fecha; e fecha, e ninguém abre: 8. Conheço as tuas obras (eis que tenho posto diante de ti uma porta aberta, que ninguém pode fechar), que tens pouca força, entretanto guardaste a minha palavra e não negaste o meu nome. 9. Eis que farei aos da sinagoga de Satanás, aos que se dizem judeus, e não o são, mas mentem, - eis que farei que venham, e adorem prostrados aos teus pés, e saibam que eu te amo. 10. Porquanto guardaste a palavra da minha perseverança, também eu te guardarei da hora da provação que há de vir sobre o mundo inteiro, para pôr à prova os que habitam sobre a terra. 11. Venho sem demora; guarda o que tens, para que ninguém tome a tua coroa. 12. A quem vencer, eu o farei coluna no templo do meu Deus, donde jamais sairá; e escreverei sobre ele o nome do meu Deus, e o nome da cidade do meu Deus, a nova Jerusalém, que desce do …

João Batista exalta JESUS O SALVADOR

João: 3. 22. Depois disto foi Jesus com seus discípulos para a terra da Judéia, onde se demorou com eles e batizava. 23. Ora, João também estava batizando em Enom, perto de Salim, porque havia ali muitas águas; e o povo ía e se batizava. 24. Pois João ainda não fora lançado no cárcere. 25. Surgiu então uma contenda entre os discípulos de João e um judeu acerca da purificação. 26. E foram ter com João e disseram-lhe: Rabi, aquele que estava contigo além do Jordão, do qual tens dado testemunho, eis que está batizando, e todos vão ter com ele. 27. Respondeu João: O homem não pode receber coisa alguma, se não lhe for dada do céu. 28. Vós mesmos me sois testemunhas de que eu disse: Não sou o Cristo, mas sou enviado adiante dele. 29. Aquele que tem a noiva é o noivo; mas o amigo do noivo, que está presente e o ouve, regozija-se muito com a voz do noivo. Assim, pois, este meu gozo está completo. 30. É necessário que ele cresça e que eu diminua. 31. Aquele que vem de cima é sobre todos; aquel…

O novo nascimento

João: 3. 1. Ora, havia entre os fariseus um homem chamado Nicodemos, um dos principais dos judeus. 2. Este foi ter com Jesus, de noite, e disse-lhe: Rabi, sabemos que és Mestre, vindo de Deus; pois ninguém pode fazer estes sinais que tu fazes, se Deus não estiver com ele. 3. Respondeu-lhe Jesus: Em verdade, em verdade te digo que se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus. 4. Perguntou-lhe Nicodemos: Como pode um homem nascer, sendo velho? Porventura pode tornar a entrar no ventre de sua mãe, e nascer? 5. Jesus respondeu: Em verdade, em verdade te digo que se alguém não nascer da água e do Espírito, não pode entrar no reino de Deus. 6. O que é nascido da carne é carne, e o que é nascido do Espírito é espírito. 7. Não te admires de eu te haver dito: Necessário vos é nascer de novo. 8. O vento sopra onde quer, e ouves a sua voz; mas não sabes donde vem, nem para onde vai; assim é todo aquele que é nascido do Espírito. 9. Perguntou-lhe Nicodemos: Como pode ser isto? 10. R…