Oração de um velho conhecido

Salmos: 71. 1. Em ti, Senhor, me refugio; nunca seja eu confundido. 2. Na tua justiça socorre-me e livra-me; inclina os teus ouvidos para mim, e salva-me. 3. Sê tu para mim uma rocha de refúgio a que sempre me acolha; deste ordem para que eu seja salvo, pois tu és a minha rocha e a minha fortaleza. 4. Livra-me, Deus meu, da mão do ímpio, do poder do homem injusto e cruel, 5. Pois tu és a minha esperança, Senhor Deus; tu és a minha confiança desde a minha mocidade. 6. Em ti me tenho apoiado desde que nasci; tu és aquele que me tiraste das entranhas de minha mãe. O meu louvor será teu constantemente. 7. Sou para muitos um assombro, mas tu és o meu refúgio forte. 8. A minha boca se enche do teu louvor e da tua glória continuamente. 9. Não me enjeites no tempo da velhice; não me desampares, quando se forem acabando as minhas forças. 10. Porque os meus inimigos falam de mim, e os que espreitam a minha vida consultam juntos, 11. dizendo: Deus o desamparou; persegui-o e prendei-o, pois não há quem o livre. 12. Ó Deus, não te alongues de mim; meu Deus, apressa-te em socorrer-me. 13. Sejam envergonhados e consumidos os meus adversários; cubram-se de opróbrio e de confusão aqueles que procuram o meu mal. 14. Mas eu esperarei continuamente, e te louvarei cada vez mais. 15. A minha boca falará da tua justiça e da tua salvação todo o dia, posto que não conheça a sua grandeza. 16. Virei na força do Senhor Deus; farei menção da tua justiça, da tua tão somente. 17. Ensinaste-me, ó Deus, desde a minha mocidade; e até aqui tenho anunciado as tuas maravilhas. 18. Agora, quando estou velho e de cabelos brancos, não me desampares, ó Deus, até que tenha anunciado a tua força a esta geração, e o teu poder a todos os vindouros. 19. A tua justiça, ó Deus, atinge os altos céus; tu tens feito grandes coisas; ó Deus, quem é semelhante a ti? 20. Tu, que me fizeste ver muitas e penosas tribulações, de novo me restituirás a vida, e de novo me tirarás dos abismos da terra. 21. Aumentarás a minha grandeza, e de novo me consolarás. 22. Também eu te louvarei ao som do saltério, pela tua fidelidade, ó meu Deus; cantar-te-ei ao som da harpa, ó Santo de Israel. 23. Os meus lábios exultarão quando eu cantar os teus louvores, assim como a minha alma, que tu remiste. 24. Também a minha língua falará da tua justiça o dia todo; pois estão envergonhados e confundidos aqueles que procuram o meu mal. - Bíblia JFA Offline

Postagens mais visitadas deste blog

Misericórdia

Louvor à sabedoria do Senhor

Carta de São Judas a respeito da salvação